Oxímoro

Talvez a leitora e o leitor não goste das palavras escritas aqui. Pois veja, eu não me importo. O que me importa é eternizar, de alguma forma, a minha história de amor com Hugo. Em meio a poemas e cordéis ritmados em terceira rima, abençoados pela força do solo baiano, conto, do meu jeito, como eu e Hugo nos reencontramos e nos perdemos em tão pouco tempo. E que apesar dos quilômetros que hoje nos afasta, o nosso amor vive; até porque o que a poesia une a distância não separa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s